Artigo: Desperdício gigante

Por Coriolano Xavier, Vice-Presidente de Comunicação do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS), Professor do Núcleo de Estudos do Agronegócio da ESPM. 

Em outubro celebrou-se o Dia Mundial da Alimentação (16), instituído em 1981 pela FAO – Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, com o objetivo de conscientizar as lideranças mundiais e opinião pública em geral sobre as questões de segurança alimentar e seus impactos sobre o desenvolvimento econômico e a paz mundial.

A escassez de alimentos no mundo já não é tão aguda como há meio século. Mas estima-se que 800 milhões de pessoas ainda vivam em uma situação de insegurança alimentar, sem acesso a uma alimentação saudável, de qualidade ou em quantidade suficiente para suprir as suas necessidades. No Brasil, aliás, a segurança alimentar é um direito que está na lei, uma expressão de cidadania (Lei 11.346/2006).

Mas tem outro assunto alimentar cuja solução o homem ainda está devendo para si mesmo: o desperdício de alimentos. E olha que é um desafio gigante: 1,3 bilhão de toneladas de alimentos são desperdiçados por ano, no planeta, provocando uma fantástica perda de 750 bilhões de dólares¹, valor equivalente a oito vezes as exportações do Brasil no agronegócio (2015) – nós que somos a segunda nação exportadora do mercado agro internacional.

Outros números decorrentes desse enorme desperdício: 1,4 bilhão de hectares cultivados inutilmente, para produzir alimentos que não chegam a ser consumidos. Algo como 14 milhões de km², área similar à soma dos territórios do Brasil, Argentina, México e Venezuela. Aliás, quando se fala em sustentabilidade, um eixo essencial da conversa bem que poderia começar por aí: o absurdo desse desperdício de alimentos, de terra e de recursos.

Só que essa extraordinária perda não é homogênea: 56% das perdas estão associados a países desenvolvidos e 44% ligados aos países em desenvolvimento. E, se olharmos no contexto da cadeia produtiva do agronegócio, a disparidade se repete: 47% do desperdício acontecem nos sistemas de distribuição, abastecimento e consumo; 5% no processamento; 24% na produção, no campo; e 24% durante o manuseio e estocagem.

O Dia Mundial da Alimentação é um ícone, uma data referencial e temática absolutamente pertinente, pois somos sete bilhões de habitantes no planeta e já está no horizonte o dia em que seremos nove ou dez bilhões, todos com o direito social e fundamental à alimentação. Nesse contexto, o desperdício é um desafio estratégico dos países, para o qual não existem pequenas ou poucas soluções.

Certamente serão dezenas, centenas ou milhares de frentes para atacar o problema, desde macro soluções até pequenos detalhes como, por exemplo, a introdução de aprendizado sobre conservação e desperdício (de recursos em geral) nas escolas, desde o ensino fundamental. Começaríamos, assim, a salvar o prato futuro desde já, enquanto tentamos colocar o presente nos eixos.

1-* Fonte: Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) e World Resources Institute, in “Super Interessante”, edição 363, 2016

Sobre o CCAS

O Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS) é uma organização da Sociedade Civil, criada em 15 de abril de 2011, com domicilio, sede e foro no município de São Paulo-SP, com o objetivo precípuo de discutir temas relacionados à sustentabilidade da agricultura e se posicionar, de maneira clara, sobre o assunto.

O CCAS é uma entidade privada, de natureza associativa, sem fins econômicos, pautando suas ações na imparcialidade, ética e transparência, sempre valorizando o conhecimento científico.

A agricultura, apesar da sua importância fundamental para o país e para cada cidadão, tem sua reputação e imagem em construção, alternando percepções positivas e negativas, não condizentes com a realidade. É preciso que professores, pesquisadores e especialistas no tema apresentem e discutam suas teses, estudos e opiniões, para melhor informação da sociedade. É importante que todo o conhecimento acumulado nas Universidades e Instituições de Pesquisa seja colocado à disposição da população, para que a realidade da agricultura, em especial seu caráter de sustentabilidade, transpareça. Mais informações no website: http://agriculturasustentavel.org.br/. Acompanhe também o CCAS no Facebook: http://www.facebook.com/agriculturasustentavel


Fonte: Assessoria de Imprensa

Anúncios

Ajude na discussão do tema. Deixe um comentário.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s