Startup brasileira produz vidro que converte energia solar em elétrica

Tinta que capta energia solar vai revestir a fachada de novo prédio em São Paulo

Quando for inaugurado, no início de 2017, o futuro prédio da Totvs, na Zona Norte de São Paulo, vai parecer mais um entre os inúmeros espigões envidraçados da cidade. Mas a construção trará, camuflada na fachada, uma nova tecnologia desenvolvida no país. Aproximadamente 2 mil metros quadrados do vidro que reveste o edifício serão “pintados” com uma espécie de tinta chamada OPV (abreviação de organic photovoltaic). Ela converte a luz do sol em energia elétrica. A carga gerada será suficiente para manter ligados pelo menos 2,5 mil computadores.

vidro energia solar

(FOTO: ÊNIO CESAR/Épocas Negócios, reprodução)

A energia gerada será suficiente para manter ligados 2,5 mil computadores”

O material foi produzido pela Sunew, uma startup de Belo Horizonte (MG), que começou a funcionar em novembro. A nova sede da Totvs, sexta maior desenvolvedora de sistemas de gestão do mundo, será a primeira aplicação comercial do produto no país. Em breve, ele deverá ser usado em tetos de veículos e outras superfícies (veja exemplos ao lado).

Os novos vidros custaram 40% a mais do que os tradicionais, despesa que deve ser compensada em sete anos pela economia de energia. “Nosso plano é usar o OPV em outros empreendimentos”, diz Rafael Cosentino, filho de Laércio Cosentino (o fundador da Totvs) e CEO da Inovalli, a construtora da família, que toca a obra e será a dona do prédio.

R$ 100 milhões é o quanto custaram as pesquisas da tecnologia do OPV no Brasil. “Agora, o processo de produção é simples e barato, por isso o produto é promissor”, diz Marcos Maciel, CEO da Sunew

Tecnologia;Energia;Vidro elétrico (Foto: Reprodução)

Fiat faz testes para usar o material em veículos
Sistema pode reduzir em 3% o consumo de combustível

Além de fachadas de prédios, o OPV deverá ganhar novas aplicações no Brasil. “Um mercado importante será o das montadoras”, diz Marcos Maciel, CEO da Sunew. A Fiat é um exemplo. Ela firmou uma parceria com a startup mineira e tem feito testes para usar a tecnologia em modelos da marca. A tinta, que pode ser colocada no teto dos carros, reduziria em 3% o consumo de combustível, normalmente gasto para recarregar a bateria. O material também permitiria manter um exaustor funcionando, quando o veículo estiver estacionado ao sol. Isso evitaria a elevação da temperatura no interior do automóvel. “Outros prováveis usos serão o revestimento de pontos de ônibus e de armazéns”, diz Maciel.


Fonte: Época Negócios

Anúncios

Um comentário sobre “Startup brasileira produz vidro que converte energia solar em elétrica

Ajude na discussão do tema. Deixe um comentário.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s