Vidros de controle solar – você sabe diferenciar?

Segundo a Guardian, referência mundial no setor, processos de fabricação diferentes conferem qualidades distintas ao produto final.

image001

foto: divulgação

Com uma demanda crescente por empreendimentos que se destacam pela estética aliada à economia de energia, oferecendo mais conforto ao usuário, os vidros de controle solar estão ganhando destaque na construção civil. Graças à sua qualidade técnica, reduzem em até 80% a passagem de calor para o interior do ambiente, garantindo um excelente isolamento térmico e minimizando o consumo de energia elétrica pelos equipamentos de ar condicionado e sistemas de iluminação artificial. Mas você sabe como eles são produzidos?

Lamartiny Gomes, gerente de produtos da Guardian, uma das maiores fabricantes de vidros e espelhos do mundo, explica que o vidro de controle solar pode ser produzido por meio de dois processos distintos de aplicação de uma camada metalizada, em uma das faces do vidro comum (float): o pirolítico (online) e em câmara a vácuo (offline).

O vidro pirolítico é fabricado por um processo mais antigo de transformação do vidro comum em vidro coated (controle solar). “Neste processo o coating é aplicado sobre o vidro float na saída do forno (com uma tecnologia que confere baixa uniformidade) e isso resulta em um vidro com estética, performance e qualidade desuniforme, sendo menos eficiente e com mais chance de criar variação de tonalidade, afetando a estética do prédio”, explica o gerente.

Já a fabricação na câmara a vácuo (processo off-line) segue um processo mais moderno, estável e controlado no qual as moléculas e íons são depositados sobre o vidro de maneira uniforme. “Esse processo garante que as moléculas sejam depositadas igualmente por todo o vidro, resultando em um vidro de controle solar com performance e qualidade consistente e, consequentemente, mais eficientes”, conta Gomes, ao ressaltar ainda que as cores também são mais uniformes, garantindo um design mais bonito de qualquer ângulo de visão.

Ele diz ainda que o vidro de controle solar pode ser laminado, temperado, serigrafado ou insulado. “A escolha do tipo de vidro deve levar em conta as necessidades específicas de cada projeto, como a dimensão da área envidraçada, a estética, luminosidade e climatização”, alerta.

A Guardian oferece, em seu portfólio, uma gama de vidros na linha Sunguard, que atendem às mais variadas necessidades dos projetos. No site da companhia é possível avaliar as características técnicas e estéticas de seus vidros de controle solar, como cor, TL (índice de transmissão luminosa) e FS (fator solar). O canal de atendimento 0800 7092700 da companhia também está disponível ao usuário final ou arquiteto para que possam buscar mais informações técnicas, entender e obter conselhos personalizados a cada projeto.

Sobre a Guardian

Fundada em 1932 em no estado de Michigan (EUA), a Guardian é uma das maiores fabricantes de vidros e espelhos do mundo. A companhia está presente em mais de 25 países, entre eles o Brasil, onde mantém duas fábricas, uma em Tatuí (SP) e outra em Porto Real (RJ), e possui um Centro de Distribuição em Fortaleza (CE).

Fonte: GPCOM Comunicação Corporativa

Anúncios

Ajude na discussão do tema. Deixe um comentário.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s