Depois da energia solar, vem aí a energia lunar

A ideia de obter energia das marés, que o movimento da Lua comanda, data da Idade Média, quando era usada para moer grãos. Na era industrial, foi testada nos anos 1960 em La Rance, na França, mas a usina foi desativada após quatro anos por causa dos altos custos. Agora essa tecnologia pode tomar impulso graças a turbinas bem mais leves e baratas. Costuma-se dizer que a energia das marés se encontra hoje no ponto em que a energia eólica estava há três décadas, quando a engenharia ainda não havia chegado ao desenho ideal das turbinas dos aerogeradores.

A lua influencia as marés (Foto: Thinkstock)

(FOTO: THINKSTOCK/reprodução)

A captação de energia das marés é feita por lâminas que giram, à semelhança das hélices que se movem com o vento, só que instaladas sob o mar. As usinas de marés são mais previsíveis do que as movidas a vento, já que o movimento das águas tem precisão de relógio. Com a utilização em grande escala, as marés também fornecem energia mais barata do que os ventos. Isso porque a densidade da água é muito maior que a do ar, e assim as turbinas subaquáticas se movem bem mais lentamente para produzir a mesma quantidade de energia.

O governo dos EUA está financiando com US$ 16 milhões o desenvolvimento de 17 projetos de utilização de energia das marés. Um relatório do Departamento de Energia americano identificou um potencial de geração anual de 1.400 terawatts-hora por ano. Apenas um terawatt-hora é capaz de abastecer 85 mil lares. O Instituto de Pesquisa em Energia Elétrica prevê que, no futuro, 10% das necessidades energéticas dos EUA poderão ser supridas com tecnologia submarina.

Potência escocesa
O governo do Reino Unido também tem grandes expectativas, com a instalação de um conjunto de unidades de produção de energia das marés que deverá prover 120 megawatts em 2020. O maior potencial está na Escócia. A região do canal de Pentland é considerada o melhor lugar do mundo para o aproveitamento da energia das marés e poderá suprir metade das necessidades escocesas no futuro (cerca de 1,9 gigawatt).

É uma grande oportunidade para empresas como a GE, que está testando turbinas geradoras submarinas e outras tecnologias correlatas nos litorais da Escócia e do País de Gales. Está pronta para produzi-las em escala e destiná-las ao canal de Pentland, onde serão instaladas a profundidades de 500 a 700 metros.

Fonte: Revista Galileu

Anúncios

Um comentário sobre “Depois da energia solar, vem aí a energia lunar

  1. Pingback: Países investem na força das marés como fonte complementar de energia - Portal Sustentabilidade | ADEMI-BAPortal Sustentabilidade | ADEMI-BA

Ajude na discussão do tema. Deixe um comentário.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s