O negócio bilionário do lixo eletrônico

Reciclagem de equipamentos como celulares e computadores movimenta fortunas, ajuda a preservar o meio ambiente e oferece oportunidade de trabalho para milhares de brasileiros.

Em 2014, o mercado brasileiro de equipamentos eletrônicos movimentou R$ 2,5 bilhões. A cada minuto, foram vendidos no País 104 smartphones, 19 computadores e 18 tablets. Daqui a algum tempo – não muito – esses aparelhos serão substituídos por outros. Estes, por uma nova geração de produtos, que também serão trocados pouco depois. Do ponto de vista econômico, o ciclo é fundamental, porque gera negócios e, portanto, lucro. Mas ele traz um problema: o lixo eletrônico, conhecido como e-lixo. Um relatório divulgado recentemente pela Organização das Nações Unidas prevê que o mundo terá 50 milhões de toneladas de resíduos em 2017. Os dados ainda mostram que, todos os anos, até 90% desse material, com valor estimado em US$ 19 bilhões, são comercializados ilegalmente ou jogados no lixo comum.

De acordo com cálculos da ONU, o mercado global de resíduos eletrônicos, desde a coleta até a reciclagem, movimenta em torno de US$ 400 bilhões por ano. “É um setor super-rentável”, diz Ana Maria Luz, presidente do Instituto GEA, Ong especializada em educação ambiental. “Falta apenas implementar políticas públicas e privadas para estimular esse mercado.” A ONU reconhece que o assunto está começando a figurar na agenda política internacional, embora ainda seja subestimado. O e-lixo produzido no mundo varia de acordo com a riqueza e a consciência ambiental de cada país. Vão desde os 63 quilos gerados por uma pessoa do Catar (que detém a renda per capita mais alta do mundo) passando pelos 30 quilos dos americanos, os 18 de quilos de um espanhol e os sete quilos de um brasileiro. Detalhe: o Brasil recicla apenas 2% de seu e-lixo. “As pessoas não sabem o que fazer com esses resíduos”, afirma a bióloga Aline Mellucci, coordenadora do Centro de Descarte e Reuso de Resíduos de Informática da Usp. Ao lado do técnico André Rangel, ela comanda o departamento da universidade que recicla cerca de 100 toneladas de lixo eletrônico, o que equivale a 90% de equipamentos de informática da própria universidade.

O Brasil foi o primeiro País da América do Sul a criar, em 2010, uma lei para regulamentar o setor. Até agora, porém, ela não entrou em vigor. “Estamos acertando alguns pontos com os empresários e esperamos a assinatura de um acordo até o final do ano”, diz Beatriz Martins Carvalho, coordenadora de desenvolvimento sustentável do Ministério da Indústria, Desenvolvimento e Comércio Exterior. Cálculos do governo estimam que a reciclagem do lixo eletrônico tem potencial para gerar dez mil empregos e injetar R$ 700 milhões na economia brasileira. “O nosso maior problema é que não conhecemos com profundidade esse mercado”, diz Beatriz. “Não temos dados suficientes sobre a indústria de reciclagem, a quantidade de resíduos produzidos e como resolver os problemas de coleta e reciclagem em um País de tamanho continental como o Brasil.”

mi_11597506473228630

Criar parcerias com os diferentes agentes da cadeia de reciclagem tem sido uma estratégia de sucesso. O Instituto GEA, em conjunto com universidades como a Usp, capacita coletores de resíduos, ensinando-os a separar o lixo eletrônico adequadamente. Em dois anos, a parceria já treinou mais de 300 catadores. Graças a ações desse tipo, algumas cooperativas de lixo aumentaram seus ganhos em até 900%. “A gente aprende que reciclar o lixo eletrônico não é importante apenas para o meio ambiente, mas também para valorizar o nosso trabalho”, afirma uma das participantes do curso da Usp, Marli Monteiro Andrade, presidente da Cooperativa de Catadores de Cotia, na região metropolitana de São Paulo. “No ano passado, trabalhamos 140 toneladas de resíduos, sendo que 15% eram lixo eletrônico, o que proporcionou uma renda mensal de R$ 2,2 mil para cada um dos 32 cooperados”, comemora Marli. “Só não crescemos mais por falta de produtos e espaço.”

Foto: Claudio Gatti

Fonte: IstoÉ

Anúncios

Ajude na discussão do tema. Deixe um comentário.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s